Archive for janeiro \30\UTC 2008

Salmo 23 – Para afastar as aflições do espírito, as pessoas falsas e para conquistar um coração mais puro.

janeiro 30, 2008

1 O Senhor é o meu pastor; nada me faltará.

2 Deitar-me faz em pastos verdejantes; guia-me mansamente a águas tranqüilas.

3 Refrigera a minha alma; guia-me nas veredas da justiça por amor do seu nome.

4 Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal algum, porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam.

5 Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos; unges com óleo a minha cabeça, o meu cálice transborda.

6 Certamente que a bondade e a misericórdia me seguirão todos os dias da minha vida, e habitarei na casa do Senhor por longos dias.

Anúncios

Ao fim

janeiro 12, 2008

O concreto o jogava ao mar
O espremia para sempre
As algas escorregavam
O forte era fraco agora

As ondas o batiam
De madeira se parecia
Nas cores do céu
Tremulava ao som do vento

Criava emoções, vivia
Sua história ali presente
Em suores e sangue
Trabalho e esforço

Seguia seu rumo
Parecia à deriva
O comando acima estava

Olhava para relva ao longe
As árvores lhe pareciam mais distantes
Chorava, pelos lados escorria

Fechava os olhos para sentir melhor
Só queria ser feliz
O que havia de mal nisso?

E seguia o barquinho
Lá no horizonte
Bonito e simpático
Como ele nem sabia

Da areia, alguém o amava muito
E o observava sempre no alvorecer do dia

Declaração

janeiro 8, 2008

http://sempreontemehoje.blogspot.com/

Nesse mundo, acredite, não há ninguém que queira mais o seu bem do que eu.
Apesar da minha individualidade não existe uma sombra de egoísmo que possa suplantar a vontade de te ver feliz
E que você não está mais sozinha, nem nunca mais estará, pois estou aqui, ali e acolá, sempre ao seu lado.
Nos momentos mais difíceis ao se deparar com o espelho verá sempre uma estrela. Ela acompanhará seus passos.

O segundo suspiro

janeiro 3, 2008

Criado, vivido, morto, fatigado

Na solidão, rondando a noite

Sem esperanças, ali acabado

Longe, a custas de açoite

Chegou o segundo Sol

Apagou as angústias, temor

Encobriu a tristeza bemol

De tons e sem sabor

Sem peles a tocar

E a quem suspirar

Perdido no quarto

Morto, da vida farto

De brisas a romaria

Felicidades nas fazendas

Primeiro de noite, rendas

A se estender ao dia

Finda a procura, Fê

Agraciado em colégio

Em galerias do CCBB

Eis o maior sortilégio