Archive for the ‘Vida’ Category

Sonho de criança

dezembro 12, 2008

Quando criança tinha um sonho, ter uma namorada, momentos felizes com ela, me divertir ser carinhoso e fazê-la me amar. Pensar que eu fora o único a poder torná-la feliz por toda a vida. Ver no sorriso dela uma vitória, um agradecimento a Deus por ter uma menina linda, maravilhosa e alegre perto de mim. Como ingênuo e inteligente eu era. Não sabia que aquilo era uma quase uma utopia e que havia muito mais a fazer. Como inteligente fora ao perceber a essência da felicidade em pequenos gestos e momentos.

Uma criança cheia de ideais, lindos, maravilhosos e que perduraram por toda a vida. Hoje um adulto maduro, às vezes imaturo, mas que sabe viver, às vezes não, mas que sabe o valor de cada ação de bem e preza profundamente por cada uma. Vivamos assim em harmonia como num coração jovem, como um sonho de criança. Para quê tantas desavenças, ganâncias, brigas, lutas, guerras? O que há de mais terno em uma alma de anjo?

 

Anúncios

O Rádio e a Comunicação

novembro 27, 2008

Havia sete pessoas naquela casa. Era uma família moderna. Certo dia uma visita ligou o rádio e sintonizou numa estação que só tocava música clássica. Ninguém no lugar gostava desse tipo de sonoridade. Aquele lar se tornou mais calmo, sereno e inteligente. Todos tinham vergonha de desligar ou mudar para outra música. Os sete ignoravam totalmente quem teria ligado e colocado aquele som, mas nenhum se pronunciava. Era um veículo de comunicação a toda e uma casa sem o mínimo de troca.

Formas Redondas

novembro 21, 2008

Estão acabando com os arredondados. Cada vez mais quadrados e arestas. Valores não completos. Olho para um lado, um quadrado, do outro um retângulo. Nos morros predominam um emaranhado de cubos ou formatos sólidos de prismas, paralelepípedos. Por isso tantos gostam de Niemeyer e Di Cavalcanti e suas redondas e curvilíneas linhas. Mundo mais feliz: caminhar e passear pelas sinuosas trilhas.

A conquista

novembro 21, 2008

Suave, maliciosa, esperta, à espreita. Aparece num olhar. Na vibração dos corações. Audaciosa e perspicaz atua sob instinto e se anuncia em gestos, fixações e sombras. Fica escondida, mas ressurge quando da presença da vítima.

Caçadores desleais pegam no ponto mais fraco dos seres. Criam um clima de taquicardias, inseguranças e medos. Em seu ambiente permanecem mais fortes, mas atacam em qualquer lugar. De maneira às vezes atabalhoada avançam com o sentimento que os toma. Se o conquistado está frágil então já o tem. Num segundo, e, estão tomados em desejos. Calores, tesões, vibrações, sangue quente pelas veias. Na pele, o calor emanado, suores, feromônios, atraem suas presas, que agora à deriva caminham, sem pensar, só seguindo o momento. Criaturas. Homem e mulher no fundo são animais. Conquistadores e conquistados.

Ponto de Natal

novembro 19, 2008

.
Mais um ponto.
Contar mais um ponto. Um ponto a favor.
A favor da solidariedade. Em favor da paz. Contra a pobreza.
Em benefício do bem estar.
Para melhorar a vida. Aliviar os sofrimentos. Ajudar o amor.

.
Ponto de Natal.
O melhor ponto de Natal para um melhor conto de Natal.
Dentro de cada coração.
.
Ponto.

Depoimento

junho 2, 2008

Fê,

em sua pele me pego em devaneios, deslizo minhas mãos pelas penugens das coxas para devagarinho teu sexo encontrar. Molhada, trôpega, tremendo em prazeres sinto seu corpo num toque meu. Arrepios dos pêlos das pontas dos dedos meus provocados. Assinto com o meu membro que rispidamente se endurece num contato com suas leves e pequeninas mãos. Me junto a você e de vontades nos conduzimos. Num ritmo lento e depois frenético e bem entoado. Penetro-te e seus olhos primeiro se reviram, depois se fecham para melhor sentir. Acendem dois brilhos verdes e os admiro e morro em êxtase e amor!

L.

Onde o carinho e o desejo se encontram

fevereiro 23, 2008

Desde o primeiro instante que te avistei gostei do seu sorriso. Cativante e alegre adentrou pelo portão que eu mesmo fiz questão de abrir.
Recepcionei-te com igual largo sorriso.
Estava atrasada, mas com um brilho.
Começamos a conversar, nos conhecíamos ou não, mas o que importava, estávamos ali um diante do outro.
Entreolhamos-nos, quase que num prenúncio. Conversamos um pouco, tiramos mal tiradas fotos e rimos um pouco. O clima de reencontro nos aproximava. Sem amores, libertos, trocávamos papos sem compromisso.
Saímos do ambiente que nos levou ao encontro. Fomos a um bar, pedimos um chopp para soltar um pouco. Sem interesses primeiros e sem malícia fomos adiante por vários assuntos. Ficamos ali por seis horas e pareciam só quinze minutos!
Peguei sua mão, existia um amor, da infância meu e nascendo naquele instante em você. Seu corpo estremeceu, eu gostei do toque nas pequeninas mãos e queria repetir.
Foi o momento do início, do encontro entre carinhos e desejos, enfim chegávamos ao amor por tantas vezes procurado ao longo de nossas vidas!

Ao fim

janeiro 12, 2008

O concreto o jogava ao mar
O espremia para sempre
As algas escorregavam
O forte era fraco agora

As ondas o batiam
De madeira se parecia
Nas cores do céu
Tremulava ao som do vento

Criava emoções, vivia
Sua história ali presente
Em suores e sangue
Trabalho e esforço

Seguia seu rumo
Parecia à deriva
O comando acima estava

Olhava para relva ao longe
As árvores lhe pareciam mais distantes
Chorava, pelos lados escorria

Fechava os olhos para sentir melhor
Só queria ser feliz
O que havia de mal nisso?

E seguia o barquinho
Lá no horizonte
Bonito e simpático
Como ele nem sabia

Da areia, alguém o amava muito
E o observava sempre no alvorecer do dia

Grande Ilha

dezembro 18, 2007

Dos amores
Dos ventos
Dos pássaros
Das chuvas
E dos beijos esfuziantes

Nas trilhas caminhamos pelas matas, pelas grades das fugas impossíveis e dos mares verdes e azuis.

Dos pescadores, ondas, e mar bravio. Espirrando água para todos os lados. Arrepiando as peles transformando o belo em sublime.

Vertiginosamente lembrei
Do helicóptero a transpor a Lagoa

Lembranças do paraíso no êxtase.
Seis dias de aconchego e fricções.
Cabiam mais dois nos sonhos.

Pureza

outubro 26, 2007

Quando te vejo entre os lençóis, o primeiro sentimento que vem é a ternura. Olho para teus cabelos e os acaricio. Sinto a energia ao tocar.

Fico absorto. Querendo o teu ser. Sentir tuas emoções. Transmitir amor.

Nas pernas deslizo minhas mãos. Subindo. Nas costas a cintura e o arrepiar do teu corpo. Mexendo contigo, um requebrar e um sorriso se mostram. Aquecem.

Pelas coxas vai caminhando meu olhar, percorre. Vai profundo o desejo. O tesão. Em ti vou me encostar. Sentes minha pele febril, se acomoda, encaixa.

Nas curvas que presencio a tua nudez, percebo a beleza da mulher que um dia vi menina. Nas rendas o charme da garota que seduz e chama para o amor. Mulher. Vontades. Menina. Carinho. Proteção. Mulher. Bem-querer!

Pureza.